Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filosofia da Terra

Furar o Nevoeiro da Ideologia Burguesa. O Bem, a Verdade e o Belo - Paradigmas Unidos da Vida. Um Olhar e uma Voz Diferentes, Livres, Progressistas e Revolucionárias. Filosofia, Artes, Política, Acontecimentos, Reflexões.
"The 1936 Constitution of the USSR contains two biblical verses:
He who does not work, neither shall he eat.
From each according to his ability, to each according to his work.

The first is clear enough, being drawn from 2 Thessalonians 3:10. But the second is a little more obscure, although it comes originally from Acts 4:35. Clearly, the appearance of such texts in the Constitution is not by chance. So how did they end up there?
A hint may be found in the slight obscurity of the origins of the second text, for it is not exactly the same as that of Acts 4:35. That hint suggests a unique exegetical path that winds its way from the Bible, through Lenin and the slogans of the early Bolshevik government in the USSR, to none other than Joseph Stalin. Let me trace that path.
I begin with the text from 2 Thessalonians: ‘He who does not work, neither shall he eat’. Among the Bolsheviks, Lenin was the first to use it. It was 1918, during the famine brought about by the shortage of grain through the disruption to rail transport by the First World War and the White Armies of the Civil War. With the grain shortage came massive speculation by the profiteers – kulaks in the countryside and business owners in the cities. In that context, Lenin addressed a group of workers in Petrograd:
‘He who does not work, neither shall he eat’. ‘He who does not work, neither shall he eat’ – every toiler understands that. Every worker, every poor and even middle peasant, everybody who has suffered need in his lifetime, everybody who has ever lived by his own labour, is in agreement with this. Nine-tenths of the population of Russia are in agreement with this truth. In this simple, elementary and perfectly obvious truth lies the basis of socialism, the indefeasible source of its strength, the indestructible pledge of its final victory (Collected Works, volume 27, pp. 391-2).
As the Civil War raged on and shortages continued, the text from 2 Thessalonians became a major feature of Agitprop. It featured on posters plastered throughout town and country. And it led to the Metropolitan of Moscow, Aleksandr Vvedensky, to observe:
When you say you are for the principle of work, I remind you of the slogan, ‘he who does not work shall not eat.’ I have seen this in a number of different cities on revolutionary posters. I am just upset that there was no reference to the Apostle Paul in his Epistle to the Thessalonians, from where the slogan is taken (Vvedensky in Lunacharsky, Religia i prosveshchenie, 1985, p. 193).

So it should be no surprise that Stalin should make much use of this text – with Lenin’s blessing – and that it should appear in the Soviet Constitution of 1936.
What about the second text from the Constitution: ‘From each according to his ability, to each according to his work’.
I suggest that it is a reinterpretation of Acts 4:35 in light of 2 Thessalonians 3:10. This reinterpretation was undertaken by the erstwhile theological scholar and avid student of the Bible, Joseph Stalin. Let us begin with Acts itself:
They laid it at the apostles’ feet, and it was distributed to each as any had need.
The context is the brief account of early Christian communism, in which everything was held in common and no-one had private possessions (see also Acts 2). Everyone would put whatever wealth they had into the common property and then it was distributed according to need. I do not wish to go into the long history of the various interpretations of this passage, save to point out that Acts 4:35 eventually became a socialist slogan, ‘from each according to ability, to each according to need’. The influence of Engel’s argument for revolutionary Christianity had an influence here, as did Marx’s use of the slogan.
Yet, the Soviet Constitution of 1936 does not use this version of the slogan. Instead, it has ‘to each according to his work’. The exegetical work of Stalin is responsible. In texts leading up to the constitution (a revision of the one from 1924), Stalin interprets the text in light of what was by then a well-established distinction between socialism and communism. Socialism became the first stage of communism, which would eventually – albeit without a specified time farm – become fully fledged communism. Indeed, after the frenetic and profoundly disrupting drives for industrialisation, collectivisation and socialisation of economic and social life in the late 1920s and 1930s, the government announced that socialism had been achieved in the Soviet Union. But communism was still to come.
So Stalin distinguished between two slogans, one appropriate for socialism and the other for communism. Under socialism, the appropriate slogan was ‘From each according to his ability, to each according to his work’. Under communism, it would be ‘From each according to his ability, to each according to his need’. The first slogan was clearly a combination of the texts from 2 Thessalonians and Acts 4. Not only does one need to work in order to live (targeted at capitalists and the idle rich), but one also works according to ability and is recompensed in light of the work done.

But what does this mean in practice? It means people will be paid according to the labour they have provided. It means different pay scales (within reason) in terms of skills, type of labour, and contribution to the overall good of the socialist project. It also means that one should take responsibility for one’s labour and stay in the same job for a while. This is far from the idea of ‘equalitarianism’, under which ‘everybody would get the same pay, an equal quantity of meat and an equal quantity of bread, would wear the same clothes and receive the same goods in the same quantities—such a socialism is unknown to Marxism’ (Stalin, Works, volume 13, p. 120).
Is communism different? In one respect it is, for this is the time when ‘labour has been transformed from a means of subsistence into the prime want of man, into voluntary labour for society’ (p. 121). Yet, communism is like socialism in that it does not fall into the trap of individualist equalitarianism in relation to labour. One provides labour according to ability and is given what one needs. Obviously, the abilities differ, as do the needs – depending on one stage in life, whether one has children or not, whether one is sick or healthy.
Until then, the socialist version of the two biblical texts remained in force:
From each according to his ability, to each according to his work."
"The 1936 Constitution of the USSR contains two biblical verses:
He who does not work, neither shall he eat.
From each according to his ability, to each according to his work.

The first is clear enough, being drawn from 2 Thessalonians 3:10. But the second is a little more obscure, although it comes originally from Acts 4:35. Clearly, the appearance of such texts in the Constitution is not by chance. So how did they end up there?
A hint may be found in the slight obscurity of the origins of the second text, for it is not exactly the same as that of Acts 4:35. That hint suggests a unique exegetical path that winds its way from the Bible, through Lenin and the slogans of the early Bolshevik government in the USSR, to none other than Joseph Stalin. Let me trace that path.
I begin with the text from 2 Thessalonians: ‘He who does not work, neither shall he eat’. Among the Bolsheviks, Lenin was the first to use it. It was 1918, during the famine brought about by the shortage of grain through the disruption to rail transport by the First World War and the White Armies of the Civil War. With the grain shortage came massive speculation by the profiteers – kulaks in the countryside and business owners in the cities. In that context, Lenin addressed a group of workers in Petrograd:
‘He who does not work, neither shall he eat’. ‘He who does not work, neither shall he eat’ – every toiler understands that. Every worker, every poor and even middle peasant, everybody who has suffered need in his lifetime, everybody who has ever lived by his own labour, is in agreement with this. Nine-tenths of the population of Russia are in agreement with this truth. In this simple, elementary and perfectly obvious truth lies the basis of socialism, the indefeasible source of its strength, the indestructible pledge of its final victory (Collected Works, volume 27, pp. 391-2).
As the Civil War raged on and shortages continued, the text from 2 Thessalonians became a major feature of Agitprop. It featured on posters plastered throughout town and country. And it led to the Metropolitan of Moscow, Aleksandr Vvedensky, to observe:
When you say you are for the principle of work, I remind you of the slogan, ‘he who does not work shall not eat.’ I have seen this in a number of different cities on revolutionary posters. I am just upset that there was no reference to the Apostle Paul in his Epistle to the Thessalonians, from where the slogan is taken (Vvedensky in Lunacharsky, Religia i prosveshchenie, 1985, p. 193).

So it should be no surprise that Stalin should make much use of this text – with Lenin’s blessing – and that it should appear in the Soviet Constitution of 1936.
What about the second text from the Constitution: ‘From each according to his ability, to each according to his work’.
I suggest that it is a reinterpretation of Acts 4:35 in light of 2 Thessalonians 3:10. This reinterpretation was undertaken by the erstwhile theological scholar and avid student of the Bible, Joseph Stalin. Let us begin with Acts itself:
They laid it at the apostles’ feet, and it was distributed to each as any had need.
The context is the brief account of early Christian communism, in which everything was held in common and no-one had private possessions (see also Acts 2). Everyone would put whatever wealth they had into the common property and then it was distributed according to need. I do not wish to go into the long history of the various interpretations of this passage, save to point out that Acts 4:35 eventually became a socialist slogan, ‘from each according to ability, to each according to need’. The influence of Engel’s argument for revolutionary Christianity had an influence here, as did Marx’s use of the slogan.
Yet, the Soviet Constitution of 1936 does not use this version of the slogan. Instead, it has ‘to each according to his work’. The exegetical work of Stalin is responsible. In texts leading up to the constitution (a revision of the one from 1924), Stalin interprets the text in light of what was by then a well-established distinction between socialism and communism. Socialism became the first stage of communism, which would eventually – albeit without a specified time farm – become fully fledged communism. Indeed, after the frenetic and profoundly disrupting drives for industrialisation, collectivisation and socialisation of economic and social life in the late 1920s and 1930s, the government announced that socialism had been achieved in the Soviet Union. But communism was still to come.
So Stalin distinguished between two slogans, one appropriate for socialism and the other for communism. Under socialism, the appropriate slogan was ‘From each according to his ability, to each according to his work’. Under communism, it would be ‘From each according to his ability, to each according to his need’. The first slogan was clearly a combination of the texts from 2 Thessalonians and Acts 4. Not only does one need to work in order to live (targeted at capitalists and the idle rich), but one also works according to ability and is recompensed in light of the work done.

But what does this mean in practice? It means people will be paid according to the labour they have provided. It means different pay scales (within reason) in terms of skills, type of labour, and contribution to the overall good of the socialist project. It also means that one should take responsibility for one’s labour and stay in the same job for a while. This is far from the idea of ‘equalitarianism’, under which ‘everybody would get the same pay, an equal quantity of meat and an equal quantity of bread, would wear the same clothes and receive the same goods in the same quantities—such a socialism is unknown to Marxism’ (Stalin, Works, volume 13, p. 120).
Is communism different? In one respect it is, for this is the time when ‘labour has been transformed from a means of subsistence into the prime want of man, into voluntary labour for society’ (p. 121). Yet, communism is like socialism in that it does not fall into the trap of individualist equalitarianism in relation to labour. One provides labour according to ability and is given what one needs. Obviously, the abilities differ, as do the needs – depending on one stage in life, whether one has children or not, whether one is sick or healthy.
Until then, the socialist version of the two biblical texts remained in force:
From each according to his ability, to each according to his work."


Não se trata de um esquema de classificação de todas as obras de arte (grande parte delas terá dificuldade em enquadra-se nele) mas apenas de esquematizar uma maneira, entre outras válidas, talvez tantas quanto as inúmeras correntes artísticas, de pensar a arte na sua relação com a vida real, em termos de oposição e de integração. Para mais, não tem em conta os períodos históricos de criação, as suas circunstâncias sociais e nacionais, a idiossincrasia do autor, assim como a frequente interpenetração de diversas dimensões e propósitos na produção concreta das obras. Uma forma contemplativa pode, na sua circunstância e fase histórica possuir mais poder crítico e mesmo de transformação, directa ou indirecta, do que uma obra crítica realista ou naturalista, a qual, por sua vez é susceptível de soçobrar em estereótipos preconceituosos e retrógrados; uma obra artística de transformação social pode revestir-se de formas mais ou menos abstractas e contemplativas. 
Não há esquema que sobreviva à prova da realidade. Os esquemas simplificam e isolam um aspecto ou uma relação, separando-os do todo da realidade, e as teorias que não têm em conta a mudança convertem esse aspecto ou essa relação em algo eterno e imutável, fazendo de uma certa dimensão relativa o fundamento e a essência permanente dessa realidade complexa. Uma teoria sólida é aquela que analisa a realidade concreta através das suas relações concretas em devir, em mudança. 
A- Arte Contemplativa. Afasta-se do problema das contradições entre sujeito e objecto, entre indivíduo e sociedade, entre as classes sociais e entre costumes e valores opostos. Representa uma visão que se procura neutra, mais do que destacar causas, motivos e razões. Na sua vertente impressionista, tende mais para a descrição e para o detalhe, como se quisesse mostrar as coisas como são antes do sujeito impor ao seu olhar um sistema de valores, a expressão de sentimentos, uma teoria de interpretação ou um modelo de representação. Na sua vertente abstracta, na qual se inclui uma corrente expressionista, é menos contemplativa mas só activa no intelecto e nos sentimentos, nunca na crítica e muito menos na transformação da vida real. Joga com a composição e a decomposição das formas do visível para o analisar, tornar expressivo, sugestivo, para o simbolizar ou idealizar. Em todas as suas versões, a arte contemplativa quer apenas olhar para a essência do ver, do Espírito ou do Ser. Exemplos são as pinturas de Monet e de Cézanne, as telas de Barnet Newman, os romances de Virgínia Wolf e de James Joyce, as composições musicais de Debussy e de Ravel.

B- Arte Crítica. Constrói métodos de análise e síntese, de exposição e expressão das contradições reais, económicas, sociais, políticas, psicológicas e espirituais, e propõe novos modos de ver, de expressar, de representar e de pensar o mundo e a vida. Não pretende fazer parte da vida real, de que se considera um espelho crítico, não almeja ser um momento da acção prática, da vida real e da sua transformação, mas quer apenas representar os seus problemas, chamar a atenção para eles e, no máximo, sugerir mudar de vida e de mundo. Exemplos são os teatros de Ibsen e de Tchekov, os romances de Stendhal e de Eça de Queirós, as novelas e contos de Camus, os quadros surrealistas de Max Ernst.


C- Arte de Transformação. Aos métodos elaborados pela arte crítica acrescenta a função transformadora da própria vida e do mundo, constituindo-se como um momento da vida real, como um incentivo à transformação mas também como uma forma de acção interpessoal e social, introduzindo-se, através das suas criações, na existência quotidiana, influenciando-se e transformando-se reciprocamente. Deixa de haver a dicotomia entre artista e contemplador, cada um participando, de alguma maneira, no papel do outro. É quando a arte vai para a rua, está nas fábricas, nas escolas e quando os espectadores sobem ao palco para, em todos esses lugares, mudarem  o seu modo de obrar e até as suas vidas. Tendo a sua raiz na Comedia Delle Arte, esta tendência artística quer ser vida e mudar a vida e o mundo. É uma arte que ainda está por cumprir, mas há tentativas de que são exemplos as lições, melhores ou piores, da música de Wagner, dos teatros de Meyerhold, de Brecht e de Cantor.


D- Arte de Escapatória. É, aparentemente, o divertimento pelo divertimento. Através de técnicas de fantasia, de alucinação e de transe, o indivíduo distrai-se da vida deprimente que leva, ou até da simples rotina, podendo assim, mediante tais ofertas compensatórias de fuga à realidade, continuar a aceitá-la acriticamente ou a não procurar maneiras reais de tornar a sua existência menos rotineira. Estes entretenimentos têm muitas vezes uma aparência de seriedade, apresentando uma mensagem moral. Porém, esta é sempre tão formal, tem sempre a forma de uma regra tão geral que apenas expressa uma ideia de como as pessoas se devem sempre conduzir civilizadamente em qualquer circunstância. Não tem, pois, pela sua abstracção, eficácia na compreensão dos factos concretos da realidade concreta nos seus problemas concretos, nas suas circunstâncias históricas e sociais. Os seus enredos têm com frequência o esquema do herói e do vilão, que personificam o cumprimento ou a violação dos mandamentos morais. São exemplos os filmes, romances e teatros que nos levam para um mundo imaginário, que sabemos ter pouco a ver com aquilo que é a nossa existência quotidiana e com os problemas enfrentados pelo mundo autêntico.



E- Arte de Reforço. Nela o indivíduo afunda-se na representação acrítica e meramente descritiva da vida, muitas vezes com exageros que entusiasmam os preconceitos, com formas esquemáticas de enredo e com estereótipos de tipo, de carácter e de conduta. É uma maneira de fazer arte que justifica um modo de vida pelo simples facto de mostrar que existe, pois não abre a mente para outras possibilidades. É uma arte que leva à amargura, ao cinismo, à inveja e à fatalidade. É assim a vida - eis a moral da sua história. 


F- Arte de Distracção. Não é por ela que vem mal ao mundo. Herdeira da arte folclórica, é o caso da música de discoteca ou de festivais populares, que serve para alegrar o convívio e desinibir as gentes. 




Não se trata de um esquema de classificação de todas as obras de arte (grande parte delas terá dificuldade em enquadra-se nele) mas apenas de esquematizar uma maneira, entre outras válidas, talvez tantas quanto as inúmeras correntes artísticas, de pensar a arte na sua relação com a vida real, em termos de oposição e de integração. Para mais, não tem em conta os períodos históricos de criação, as suas circunstâncias sociais e nacionais, a idiossincrasia do autor, assim como a frequente interpenetração de diversas dimensões e propósitos na produção concreta das obras. Uma forma contemplativa pode, na sua circunstância e fase histórica possuir mais poder crítico e mesmo de transformação, directa ou indirecta, do que uma obra crítica realista ou naturalista, a qual, por sua vez é susceptível de soçobrar em estereótipos preconceituosos e retrógrados; uma obra artística de transformação social pode revestir-se de formas mais ou menos abstractas e contemplativas. 
Não há esquema que sobreviva à prova da realidade. Os esquemas simplificam e isolam um aspecto ou uma relação, separando-os do todo da realidade, e as teorias que não têm em conta a mudança convertem esse aspecto ou essa relação em algo eterno e imutável, fazendo de uma certa dimensão relativa o fundamento e a essência permanente dessa realidade complexa. Uma teoria sólida é aquela que analisa a realidade concreta através das suas relações concretas em devir, em mudança. 
A- Arte Contemplativa. Afasta-se do problema das contradições entre sujeito e objecto, entre indivíduo e sociedade, entre as classes sociais e entre costumes e valores opostos. Representa uma visão que se procura neutra, mais do que destacar causas, motivos e razões. Na sua vertente impressionista, tende mais para a descrição e para o detalhe, como se quisesse mostrar as coisas como são antes do sujeito impor ao seu olhar um sistema de valores, a expressão de sentimentos, uma teoria de interpretação ou um modelo de representação. Na sua vertente abstracta, na qual se inclui uma corrente expressionista, é menos contemplativa mas só activa no intelecto e nos sentimentos, nunca na crítica e muito menos na transformação da vida real. Joga com a composição e a decomposição das formas do visível para o analisar, tornar expressivo, sugestivo, para o simbolizar ou idealizar. Em todas as suas versões, a arte contemplativa quer apenas olhar para a essência do ver, do Espírito ou do Ser. Exemplos são as pinturas de Monet e de Cézanne, as telas de Barnet Newman, os romances de Virgínia Wolf e de James Joyce, as composições musicais de Debussy e de Ravel.

B- Arte Crítica. Constrói métodos de análise e síntese, de exposição e expressão das contradições reais, económicas, sociais, políticas, psicológicas e espirituais, e propõe novos modos de ver, de expressar, de representar e de pensar o mundo e a vida. Não pretende fazer parte da vida real, de que se considera um espelho crítico, não almeja ser um momento da acção prática, da vida real e da sua transformação, mas quer apenas representar os seus problemas, chamar a atenção para eles e, no máximo, sugerir mudar de vida e de mundo. Exemplos são os teatros de Ibsen e de Tchekov, os romances de Stendhal e de Eça de Queirós, as novelas e contos de Camus, os quadros surrealistas de Max Ernst.


C- Arte de Transformação. Aos métodos elaborados pela arte crítica acrescenta a função transformadora da própria vida e do mundo, constituindo-se como um momento da vida real, como um incentivo à transformação mas também como uma forma de acção interpessoal e social, introduzindo-se, através das suas criações, na existência quotidiana, influenciando-se e transformando-se reciprocamente. Deixa de haver a dicotomia entre artista e contemplador, cada um participando, de alguma maneira, no papel do outro. É quando a arte vai para a rua, está nas fábricas, nas escolas e quando os espectadores sobem ao palco para, em todos esses lugares, mudarem  o seu modo de obrar e até as suas vidas. Tendo a sua raiz na Comedia Delle Arte, esta tendência artística quer ser vida e mudar a vida e o mundo. É uma arte que ainda está por cumprir, mas há tentativas de que são exemplos as lições, melhores ou piores, da música de Wagner, dos teatros de Meyerhold, de Brecht e de Cantor.


D- Arte de Escapatória. É, aparentemente, o divertimento pelo divertimento. Através de técnicas de fantasia, de alucinação e de transe, o indivíduo distrai-se da vida deprimente que leva, ou até da simples rotina, podendo assim, mediante tais ofertas compensatórias de fuga à realidade, continuar a aceitá-la acriticamente ou a não procurar maneiras reais de tornar a sua existência menos rotineira. Estes entretenimentos têm muitas vezes uma aparência de seriedade, apresentando uma mensagem moral. Porém, esta é sempre tão formal, tem sempre a forma de uma regra tão geral que apenas expressa uma ideia de como as pessoas se devem sempre conduzir civilizadamente em qualquer circunstância. Não tem, pois, pela sua abstracção, eficácia na compreensão dos factos concretos da realidade concreta nos seus problemas concretos, nas suas circunstâncias históricas e sociais. Os seus enredos têm com frequência o esquema do herói e do vilão, que personificam o cumprimento ou a violação dos mandamentos morais. São exemplos os filmes, romances e teatros que nos levam para um mundo imaginário, que sabemos ter pouco a ver com aquilo que é a nossa existência quotidiana e com os problemas enfrentados pelo mundo autêntico.



E- Arte de Reforço. Nela o indivíduo afunda-se na representação acrítica e meramente descritiva da vida, muitas vezes com exageros que entusiasmam os preconceitos, com formas esquemáticas de enredo e com estereótipos de tipo, de carácter e de conduta. É uma maneira de fazer arte que justifica um modo de vida pelo simples facto de mostrar que existe, pois não abre a mente para outras possibilidades. É uma arte que leva à amargura, ao cinismo, à inveja e à fatalidade. É assim a vida - eis a moral da sua história. 


F- Arte de Distracção. Não é por ela que vem mal ao mundo. Herdeira da arte folclórica, é o caso da música de discoteca ou de festivais populares, que serve para alegrar o convívio e desinibir as gentes. 



Nação Real e Nação Mitológica


Uma coisa é defender a cultura real que constitui a identidade, não metafísica e estática, mas histórica e em transformação, de uma Nação, cada vez mais ameaçada por um cosmopolitismo burguês arrogante e pela diferença abissal de desenvolvimento das nações, exploradas uma pelas outras através das grandes companhias e das entidades  financeiras internacionais credoras do trabalho dos outros, com apoio das forças armadas imperialistas. 
Outra coisa é sustentar a ideia da origem cultural e étnica, absolutamente distinta e superior, de uma Nação, origem na qual radicaria a sua verdade e cujas mudanças, tal como a diferença entre o ser e o nada de Parménides, a falsificariam e antagonizariam. Haveria que voltar à origem. 
O mito da origem remonta aos mitos da Antiguidade e mesmo de tribos pré-históricas. Nada tem de verdade e foi tragicamente retomada nos tempos modernos pelo Fascismo. 
Este representou uma formação social capitalista que surgiu de circunstâncias específicas, simultaneamente interconcorrenciais e anticomunistas. 


O Fascismo, através do suporte ideológico da ideia de uma unidade do povo, montou um projecto pelo qual conseguiu mobilizar grandes massas humanas e de capital, industrial e financeiro, em torno de uma ideia fictícia de pátria. Conseguiu assim opor-se ao comunismo, como movimento que procura realizar efectivamente a unidade do povo, sem patrões nem assalariados. Estabeleceu uma ditadura na qual o capitalismo monopolista nacional apoiado pelo poder do Estado tentou, através da política económica proteccionista daquele, prevalecer-se  sobre o capital exterior às suas áreas de influência político-militares, internas e coloniais, embora aceitando cooperações aparente contraditórias com tal projecto (caso, por exemplo, dos investimentos de grandes empresas estadunidenses na economia nazi-fascista), pois o capitalismo é, por essência, não só concorrencial como apátrida.

O Fascismo é sempre uma ameaça, mais ou menos velada, quando a ideologia liberal (assente em Locke e Montesquieu) se vê relegada de instrumento ideológico de libertação de formas pré-capitalistas de opressão, de implementador moral do progresso tecnológico e de legitimador das relações de produção e das oposições de classe, quando deixa de poder nem minimizar nem esconder as contradições imanentes ao capitalismo e quando se vê diante do perigo da decadência do sistema a que pertence.

Actualmente, dois perigos ameaçam as Nações: o cosmopolitismo burguês, que não respeita as forças produtivas nacionais nem os seus valores e culturas, com a sua unidade de tradição e projectos autónomos de futuro; o fascismo, que resulta do medo das consequências sociais e económicas internas do cosmopolitismo burguês, apresentando como solução o etnocentrismo e a repressão de toda a luta de classes como antipatriótica. 
O Fascismo actual não possui a força que tinha quando, legitimando-o no seu entender, se enfrentava com o seu poderoso adversário: o comunismo. Mesmo assim, as contradições nacionais económicas e étnicas, internas e externas, enraizadas numa História que renasce em momentos que propiciam o seu acerbo, conduzem ainda à ascensão de forças fascistas e pró-fascistas. O poder na Ucrânia de Kiev resultou de uma combinação de interesses geoestratégicos energéticos,  oligarcas, estadunidenses e saudosistas do nazi-fascismo, nascido em grande parte do ódio à colectivização soviética da terra. 

Resta dizer que os Estados Unidos, não sendo um Estado fascista, com a sua ideologia da predestinação para expandir os seus valores e a sua política pelo mundo inteiro, da superioridade da sua cultura, da sua ordem política e económica capitalista e do intervencionismo militar global, aproximam-se, na prática, do Fascismo. É pena, porque aprecio deveras a sua melhor arte, a sua energia criadora, as suas inovações tecnológicas, a sua alegria de viver.

Nação Real e Nação Mitológica


Uma coisa é defender a cultura real que constitui a identidade, não metafísica e estática, mas histórica e em transformação, de uma Nação, cada vez mais ameaçada por um cosmopolitismo burguês arrogante e pela diferença abissal de desenvolvimento das nações, exploradas uma pelas outras através das grandes companhias e das entidades  financeiras internacionais credoras do trabalho dos outros, com apoio das forças armadas imperialistas. 
Outra coisa é sustentar a ideia da origem cultural e étnica, absolutamente distinta e superior, de uma Nação, origem na qual radicaria a sua verdade e cujas mudanças, tal como a diferença entre o ser e o nada de Parménides, a falsificariam e antagonizariam. Haveria que voltar à origem. 
O mito da origem remonta aos mitos da Antiguidade e mesmo de tribos pré-históricas. Nada tem de verdade e foi tragicamente retomada nos tempos modernos pelo Fascismo. 
Este representou uma formação social capitalista que surgiu de circunstâncias específicas, simultaneamente interconcorrenciais e anticomunistas. 


O Fascismo, através do suporte ideológico da ideia de uma unidade do povo, montou um projecto pelo qual conseguiu mobilizar grandes massas humanas e de capital, industrial e financeiro, em torno de uma ideia fictícia de pátria. Conseguiu assim opor-se ao comunismo, como movimento que procura realizar efectivamente a unidade do povo, sem patrões nem assalariados. Estabeleceu uma ditadura na qual o capitalismo monopolista nacional apoiado pelo poder do Estado tentou, através da política económica proteccionista daquele, prevalecer-se  sobre o capital exterior às suas áreas de influência político-militares, internas e coloniais, embora aceitando cooperações aparente contraditórias com tal projecto (caso, por exemplo, dos investimentos de grandes empresas estadunidenses na economia nazi-fascista), pois o capitalismo é, por essência, não só concorrencial como apátrida.

O Fascismo é sempre uma ameaça, mais ou menos velada, quando a ideologia liberal (assente em Locke e Montesquieu) se vê relegada de instrumento ideológico de libertação de formas pré-capitalistas de opressão, de implementador moral do progresso tecnológico e de legitimador das relações de produção e das oposições de classe, quando deixa de poder nem minimizar nem esconder as contradições imanentes ao capitalismo e quando se vê diante do perigo da decadência do sistema a que pertence.

Actualmente, dois perigos ameaçam as Nações: o cosmopolitismo burguês, que não respeita as forças produtivas nacionais nem os seus valores e culturas, com a sua unidade de tradição e projectos autónomos de futuro; o fascismo, que resulta do medo das consequências sociais e económicas internas do cosmopolitismo burguês, apresentando como solução o etnocentrismo e a repressão de toda a luta de classes como antipatriótica. 
O Fascismo actual não possui a força que tinha quando, legitimando-o no seu entender, se enfrentava com o seu poderoso adversário: o comunismo. Mesmo assim, as contradições nacionais económicas e étnicas, internas e externas, enraizadas numa História que renasce em momentos que propiciam o seu acerbo, conduzem ainda à ascensão de forças fascistas e pró-fascistas. O poder na Ucrânia de Kiev resultou de uma combinação de interesses geoestratégicos energéticos,  oligarcas, estadunidenses e saudosistas do nazi-fascismo, nascido em grande parte do ódio à colectivização soviética da terra. 

Resta dizer que os Estados Unidos, não sendo um Estado fascista, com a sua ideologia da predestinação para expandir os seus valores e a sua política pelo mundo inteiro, da superioridade da sua cultura, da sua ordem política e económica capitalista e do intervencionismo militar global, aproximam-se, na prática, do Fascismo. É pena, porque aprecio deveras a sua melhor arte, a sua energia criadora, as suas inovações tecnológicas, a sua alegria de viver.



Clara Zetkin

Nadia Krupskaia

Flora Tristan

 Mary Wollstonecraft










Paula Rego





Clara Zetkin

Nadia Krupskaia

Flora Tristan

 Mary Wollstonecraft










Paula Rego



O Pântano - Jorge Cadima


Jorge Cadima 
07.Mar.15 :: Outros autores
Jorge Cadima
O imperialismo não é apenas a maior ameaça contra a paz. Fase final do capitalismo, os seus apodrecidos dirigentes fomentam, apoiam e aliam-se por toda a parte com a pior escória humana organizada, desde o fascismo e o neonazismo ao mais bárbaro fundamentalismo islâmico. Aparentemente, querem levar o “fim da História” às suas últimas consequências.





O General Wesley Clark tornou-se famoso como comandante supremo da NATO na sua guerra contra a Jugoslávia. Reavivou a fama em 2007, quando em entrevista ao programa Democracy Now da Rádio Pública Nacional dos EUA (2.3.07) revelou que, poucos dias após os atentados de 11 de Setembro, já estava tomada a decisão de que «iríamos limpar sete países em cinco anos, começando pelo Iraque, depois a Síria, o Líbano, a Líbia, a Somália, o Sudão e para terminar o Irão». Agora, Clark informa-nos sobre as origens do famigerado bando de assassinos que dá pela sigla ISIS. Disse Clark à CNN (18.2.15): «o ISIS foi criado através do financiamento dos nossos amigos e aliados, porque como as pessoas da região lhe dirão, ’se queremos alguém que combata até à morte contra o Hezbollah, não se afixam avisos de recrutamento a dizer para se juntarem a nós, a fim de construir um mundo melhor’. Procuram-se os fanáticos e arregimentam-se os fundamentalistas religiosos – é assim que se combate o Hezbollah. É uma espécie de Frankenstein». Quando ouvirmos falar dos crimes e atrocidades do ISIS, lembremo-nos que – nas palavras do general norte-americano – estamos perante um monstro criado pelos «amigos e aliados» dos EUA.
Clark não esclarece quem são os «amigos e aliados» em questão. O vice-presidente dos EUA Joe Biden, ao discursar perante estudantes da Universidade de Harvard (em 4.10.14) já falara publicamente nos governos turco, saudita e dos Emirados Árabes Unidos. Mas convém lembrar o maior «amigo e aliado» dos EUA na região, Israel, cujo ódio ao Hezbollah é fácil de imaginar. O Estado sionista (que se considerava invencível) já foi por duas vezes derrotado pela organização da resistência libanesa: em 2000, quando foi obrigado a pôr fim à sua ocupação do Sul do Líbano que datava de 1978; e de novo em 2006, quando Israel lançou nova criminosa guerra de ocupação contra o seu vizinho do Norte. Já o New York Times titulou que «Interesses convergentes podem levar à cooperação entre Israel e os estados do Golfo» (31.3.14), acrescentando que a colaboração poderia passar pela «cooperação de israelitas e sauditas no treino dos combatentes da oposição síria». O jornal israelita Haaretz informa (7.12.14) que «relatórios dos observadores da ONU no [s Montes] Golã, entregues aos 15 membros do Conselho de Segurança, pormenorizam os contactos regulares de oficiais da IDF [Forças Armadas israelitas] e figuras da oposição síria armada, junto à fronteira». E o canal televisivo de notícias israelita, i24news, acrescenta (7.12.14) que em resposta a denúncias de que as forças armadas de Israel prestam socorro médico a todos os grupos armados da oposição síria «incluindo a Frente al-Nusra e Daesh [como o ISIS é conhecido no Médio Oriente]», o gabinete de imprensa militar israelita confirmou: «nos últimos dois anos, as IDF têm prestado auxílio humanitário e salvado vidas a sírios feridos, independentemente da sua identidade». Para quem chacinou centenas de crianças em Gaza, é comovente este ‘humanismo’.
Mas Clark e Biden são falsos ingénuos. O problema não são apenas os «amigos e aliados». Já em 20.9.14, o New York Times titulava: «No Iraque há profundas suspeitas de que a CIA e o Estado Islâmico estão unidos». E segundo a agência noticiosa iraniana FNA (23.2.15), «o exército iraquiano derrubou dois aviões britânicos que transportavam armas para o ISIS», informação confirmada pela Comissão de Segurança Nacional e Defesa do Parlamento iraquiano. O presidente da comissão disse que «o governo de Bagdade recebe relatórios diários de pessoas e forças de segurança na província de al-Anbar, sobre numerosos voos de aviões da coligação chefiada pelos EUA que lançam armas e mantimentos nas zonas sob controlo dos terroristas do ISIL». O pântano criado pelas ambições hegemónicas do imperialismo está para além de qualquer imaginação doentia. Falta saber quem nele se irá afundar.

*Este artigo foi publicado no “Avante!” nº2053, 5.03.2015

O Pântano - Jorge Cadima


Jorge Cadima 
07.Mar.15 :: Outros autores
Jorge Cadima
O imperialismo não é apenas a maior ameaça contra a paz. Fase final do capitalismo, os seus apodrecidos dirigentes fomentam, apoiam e aliam-se por toda a parte com a pior escória humana organizada, desde o fascismo e o neonazismo ao mais bárbaro fundamentalismo islâmico. Aparentemente, querem levar o “fim da História” às suas últimas consequências.





O General Wesley Clark tornou-se famoso como comandante supremo da NATO na sua guerra contra a Jugoslávia. Reavivou a fama em 2007, quando em entrevista ao programa Democracy Now da Rádio Pública Nacional dos EUA (2.3.07) revelou que, poucos dias após os atentados de 11 de Setembro, já estava tomada a decisão de que «iríamos limpar sete países em cinco anos, começando pelo Iraque, depois a Síria, o Líbano, a Líbia, a Somália, o Sudão e para terminar o Irão». Agora, Clark informa-nos sobre as origens do famigerado bando de assassinos que dá pela sigla ISIS. Disse Clark à CNN (18.2.15): «o ISIS foi criado através do financiamento dos nossos amigos e aliados, porque como as pessoas da região lhe dirão, ’se queremos alguém que combata até à morte contra o Hezbollah, não se afixam avisos de recrutamento a dizer para se juntarem a nós, a fim de construir um mundo melhor’. Procuram-se os fanáticos e arregimentam-se os fundamentalistas religiosos – é assim que se combate o Hezbollah. É uma espécie de Frankenstein». Quando ouvirmos falar dos crimes e atrocidades do ISIS, lembremo-nos que – nas palavras do general norte-americano – estamos perante um monstro criado pelos «amigos e aliados» dos EUA.
Clark não esclarece quem são os «amigos e aliados» em questão. O vice-presidente dos EUA Joe Biden, ao discursar perante estudantes da Universidade de Harvard (em 4.10.14) já falara publicamente nos governos turco, saudita e dos Emirados Árabes Unidos. Mas convém lembrar o maior «amigo e aliado» dos EUA na região, Israel, cujo ódio ao Hezbollah é fácil de imaginar. O Estado sionista (que se considerava invencível) já foi por duas vezes derrotado pela organização da resistência libanesa: em 2000, quando foi obrigado a pôr fim à sua ocupação do Sul do Líbano que datava de 1978; e de novo em 2006, quando Israel lançou nova criminosa guerra de ocupação contra o seu vizinho do Norte. Já o New York Times titulou que «Interesses convergentes podem levar à cooperação entre Israel e os estados do Golfo» (31.3.14), acrescentando que a colaboração poderia passar pela «cooperação de israelitas e sauditas no treino dos combatentes da oposição síria». O jornal israelita Haaretz informa (7.12.14) que «relatórios dos observadores da ONU no [s Montes] Golã, entregues aos 15 membros do Conselho de Segurança, pormenorizam os contactos regulares de oficiais da IDF [Forças Armadas israelitas] e figuras da oposição síria armada, junto à fronteira». E o canal televisivo de notícias israelita, i24news, acrescenta (7.12.14) que em resposta a denúncias de que as forças armadas de Israel prestam socorro médico a todos os grupos armados da oposição síria «incluindo a Frente al-Nusra e Daesh [como o ISIS é conhecido no Médio Oriente]», o gabinete de imprensa militar israelita confirmou: «nos últimos dois anos, as IDF têm prestado auxílio humanitário e salvado vidas a sírios feridos, independentemente da sua identidade». Para quem chacinou centenas de crianças em Gaza, é comovente este ‘humanismo’.
Mas Clark e Biden são falsos ingénuos. O problema não são apenas os «amigos e aliados». Já em 20.9.14, o New York Times titulava: «No Iraque há profundas suspeitas de que a CIA e o Estado Islâmico estão unidos». E segundo a agência noticiosa iraniana FNA (23.2.15), «o exército iraquiano derrubou dois aviões britânicos que transportavam armas para o ISIS», informação confirmada pela Comissão de Segurança Nacional e Defesa do Parlamento iraquiano. O presidente da comissão disse que «o governo de Bagdade recebe relatórios diários de pessoas e forças de segurança na província de al-Anbar, sobre numerosos voos de aviões da coligação chefiada pelos EUA que lançam armas e mantimentos nas zonas sob controlo dos terroristas do ISIL». O pântano criado pelas ambições hegemónicas do imperialismo está para além de qualquer imaginação doentia. Falta saber quem nele se irá afundar.

*Este artigo foi publicado no “Avante!” nº2053, 5.03.2015